sábado, fevereiro 19, 2005

Glosa à Utopia

Ser eterno o amor é amá-lo
num nunca ver morto o mistério,
num sempre mudá-lo.
É em cada segredo d'alvorada ser razão de ser o descobri-lo.
É haver no caminho do olhar a mais larga estrada
e desvairada, qualquer que seja,

toda e qualquer palavra
(que ouse explicá-lo).
É ser não mais que um som de corpo que estremece
na ideia de ser só
o corpo que o espera.
E é o som do suspiro quando o é.
É ser depois o eco que o reverbera.
Tão fundo
tão forte
tão imperecível
como uma morte
etérea.
É ser o corpo que o distorce até
que os olhos se revejam e se reajuste o mundo
como se tivesse só havido Agora
e nem um beijo.

Ser eterno o amor é ressuscitá-lo
sem a mais leve memória
de ter chegado a amá-lo.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial