terça-feira, março 31, 2009

Como a noite as luas

Tens nos dias como a noite as luas e assim afectas esta formiga entregue à lavoura da vida...um sopro teu e está perdido todo o carreiro vencido, cansa-se o bicho deste destino ilegível, desta sina que o põe dependente de amores variáveis e de silêncios pedra...quase desiste.
Sabes, as palavras podiam, corajosamente, explicar o mundo e libertar a presa, mas isso seria uma revolução demasiado liberal para ti, não é?

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial